08-04-2016

Cruzar talentos e mercado de trabalho é o objetivo de um projeto recente que ganha expressão online: www.industriacriativa.pt nasce para apoiar os criativos.
 
É um projeto independente, criado por Pedro Lobo e Nuno Guerra, que num registo positivo, com humor, dá expressão a um assunto muito sério. “Sabendo que em Portugal existem milhares de criativos ansiosos por mostrar a(s) sua(s) garra(s)”, estes “dois lobos, um deles em pele de cordeiro”, construíram a plataforma online Indústria Criativa. A intenção é “promover ofertas de emprego e otimizar as candidaturas dos criativos, facilitando assim o processo de seleção das empresas pelo acesso prático e rápido a portfólios”. Em suma, pretende-se juntar “quem dá o litro a quem arranja um tacho”. Mais informações em discurso direto, com Nuno Guerra.
 
Como surge esta plataforma?
Surge de uma forma natural, na Yeah Works, empresa de design & software. Na Yeah Works criámos em abril de 2014 um portal de recrutamento focado em IT (www.empregosit.pt) e desde cedo percebemos que podíamos transferir e evoluir o que tínhamos feito no IT para o mercado da criatividade e da comunicação. Depois de algumas pesquisas percebemos que não havia no mercado português algo que permitisse aos profissionais da indústria criativa expor o seu talento. Percebemos também que o talento português está exposto e ofuscado em plataformas internacionais que têm milhões de profissionais inscritos. Por isso, e aliando a estes factos a nossa paixão por criar coisas, a decisão foi fácil. Arregaçámos as mangas e metemos mãos ao trabalho.
 
Quando foi lançada e como está a evoluir?
A Indústria Criativa foi oficialmente lançada no dia 30 de janeiro de 2016.
A evolução está a ser muito boa; em pouco mais de dois meses temos mais de 1000 criativos e mais de uma centena de empresas inscritas na plataforma, sendo que não gastámos 1 euro em publicidade.
 
Que feedback têm recebido?
O feedback tem sido óptimo, e tem chegado por diversos meios. São imensas as menções à Indústria Criativa em posts nas redes sociais e isso mostra que a aceitação do projeto está a ser boa.
 
Como se sustenta o projecto?
Nesta fase de lançamento, a sustentabilidade é garantida pela Yeah Works. Mas temos a consciência que o projeto, para continuar vivo e saudável, terá de gerar negócio, por isso em breve vamos introduzir contas premium para criativos que se queiram diferenciar, entre outras novidades.
 
Da experiência adquirida, que perceção têm hoje sobre o setor?
O mercado das indústrias criativas é vasto, mais vasto do que se pode pensar à partida. Há muito talento em Portugal, temos bons criativos em diversas áreas e isso é extremamente positivo. Porém, tem que haver mais investimento nas indústrias criativas. Nos dias de hoje, qualquer projeto /negócio, para ter sucesso, tem que ter a capacidade de cativar, criar empatia – e isso é algo que só se consegue com criatividade, por isso temos de valorizar mais o trabalho criativo.
 
(A ilustrar este artigo, imagem de perfil de Pedro Lobo, cofundador da plataforma.)
OUTRAS NOTÍCIAS
Birdadvisor360°, a app que observa os pássaros

Birdadvisor360°, a

app que observa os pássaro...

A "cultura líquida" está no Hub Criativo do Beato

A "cultura líquida"

está no Hub Criativo do B...

O Prémio vai a Copenhaga com os pés confortáveis

O Prémio vai a

Copenhaga com os pés confortáv...

Boas ideias e bons projetos vão ao Laboratório

Boas ideias e bons

projetos vão ao Laboratóri...

WONDER COVER. Joga com amigos à volta do tablet

WONDER COVER. Joga

com amigos à volta do tabl...

SOUND PARTICLES. De Leiria para Hollywood

SOUND PARTICLES. De

Leiria para Hollywood

IGUANEYE. Afinal (não) estamos descalços

IGUANEYE. Afinal

(não) estamos descalços

Duas vencedoras do Prémio candidatas aos The Europas

Duas vencedoras do

Prémio candidatas aos The ...

MAIS NOTÍCIAS  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15   16   17   18