21-11-2014

Num país de mar, com ondas que convidam à prática de surf e modalidades familiares, tem lógica o surgimento da Surfstoke. Apresentada como “a rede social dos surfistas portugueses, esta app gratuita, disponível para iOS e Android, “promove a interação entre praticantes, criando a solução perfeita entre surf reports fidedignos e a competição saudável”.
A aplicação – lançada este mês por Joana Matos, Francisco Brito, João Rodrigues e Nuno Ferro – surge para “melhorar a forma como os wave riders comunicam entre si”, em Portugal ou noutro qualquer país. A estratégia de internacionalização está presente desde o início, como afirma a equipa: “O nosso objetivo está bem patente no nome: Stoke significa o êxtase de apanhar uma onda. E é este feeling que queremos levar a todo o mundo”.
Conforme se lê na apresentação do projeto, a exploração da Surfstoke decorre de “forma simples e intuitiva”. Os utilizadores “fazem check-in mal chegam à praia, criando um surf report que integra a informação do estado do mar (fornecida pelo Instituto Hidrográfico e automaticamente carregada na app) e a sua opinião – sustentada num comentário, rating e uma fotografia. De seguida, têm a opção de partilhar o seu report com todos os membros da app ou apenas com um ou dois amigos, salvaguardando os chamados secret spots”. Estes check-ins “permitem saber rapidamente onde estão os amigos a surfar e quais os spots que estão com melhores condições”. E quantos mais, melhor: “Os utilizadores ganham pontos por cada check-in que façam, entrando diretamente para o ranking Surfstoke. Os utilizadores com mais pontos têm ainda acesso a ofertas nas lojas parceiras do projeto”.
Já com mais de 600 utilizadores, a Sursfstoke abrange desportos de ondas, tais como surf, bodyboard, kitesurf, windsurf e stand-up paddle. Existe, no entanto, a possibilidade de alargar a app a outras práticas desportivas que partilhem “um estilo de vida semelhante”, tal como contou ao nosso site Joana Matos.
Mas a prioridade é mesmo crescer nos mercados desportivos predefinidos e a um nível global. “Iremos utilizar Portugal como mercado de teste para que, no final de 2015, possamos iniciar a internacionalização. Países com cultura de surf como a Austrália ou o Brasil são possíveis mercados para a Surfstoke” – realçou a empreendedora. Apesar de existirem alguns produtos concorrentes ao nível internacional, a startup portuguesa, sediada em Lisboa, acredita ter do seu lado “mais-valias que permitirão singrar neste meio”. Posto isto, estão traçados os objetivos para o próximo ano: “firmar a Surfstoke como a principal aplicação de desportos de ondas em Portugal” e, a partir de casa, criar bases seguras que permitam escalar “para o resto do mundo”. O desejo? “Que em qualquer local com ondas e surf esteja presente a Surfstoke”.
OUTRAS NOTÍCIAS
CITY CHECK. Descobrir a cidade através de jogos

CITY CHECK. Descobrir

a cidade através de jog...

WONDER COVER. Joga com amigos à volta do tablet

WONDER COVER. Joga

com amigos à volta do tabl...

SOUND PARTICLES. De Leiria para Hollywood

SOUND PARTICLES. De

Leiria para Hollywood

IGUANEYE. Afinal (não) estamos descalços

IGUANEYE. Afinal

(não) estamos descalços

Grandes ideias no pequeno ecrã

Grandes ideias no

pequeno ecrã

Sensi quer revolucionar meio musical

Sensi quer

revolucionar meio musical

Candidaturas encerradas

Candidaturas

encerradas

MAIS NOTÍCIAS  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15   16   17