03-11-2014

Era uma vez um país nascido com o dom da escrita, um autor que queria contar uma história, um livro que queria ser lido, um turista que não falava Português, e uma livraria que não sabia como ficar sempre no mesmo lugar. Juntaram-se todos. E escreveram uma nova história.
Começa assim (em inglês; a tradução é nossa) a apresentação da Tell a Story no seu website. É uma introdução literária de uma identidade romântica e não deixa de ser um parágrafo com toda a verdade de uma livraria em trânsito que já mereceu destaque, por exemplo, no The Guardian ou no site norte-americano Ozy. Pensada para os turistas que visitam Lisboa, a Tell a Story ganha expressão numa carrinha vintage que abre as portas em ruas e praças para apresentar livros traduzidos em inglês de conhecidos autores portugueses. É uma história que merece ser conhecida e que vai sendo feita por quem tem amor à literatura. Domingos Cruz contou-nos como e do que se faz este projeto.
 
A Tell a Story (TaS) tem sido referenciada pelo seu carácter singular. O que fascina: uma certa aura romântica, o facto de esta “livraria sobre rodas” ser também, por si, um “objeto” tão literário?
Julgo que o elemento romântico é fundamental no projeto. É um processo absolutamente contraintuitivo; pretende ser o físico contra o digital, o local contra o global. Nasce, vive, respira amor à literatura.
 
Que autores se enquadram no projeto?
Todos os autores portugueses podem enquadrar-se, sendo certo que o esforço tem sido feito para, por um lado, dar a conhecer os consagrados, autores clássicos, e, por outro, novos autores que são o futuro da nossa literatura.
 
É a TaS que trata da tradução e da realização de edições limitadas ou trabalha em parceria com alguma editora?
A Tell a Story entrou, este ano, no mundo da edição. Iniciou-se pela venda de edições alheias e está agora a fazer edições próprias. [Como editora] conta neste momento com três obras, estando a iniciar-se o processo de outras três.
 
À venda e edição de livros, a TaS associa outras atividades, tais como passeios literários por Lisboa. É um complemento ou uma outra oportunidade de diversificação do projeto?
O Walk a Story, é uma das várias vertentes que o projeto pretende ter. A ideia central é dar a conhecer a literatura portuguesa aos estrangeiros, e esse objetivo pode ser conseguido de várias formas.
 
Têm, também, uma base tipográfica, com fontes de autores. Qual o intuito; como funciona?
É mais uma vez a estética do projeto a falar com o público-alvo. É outra forma de dar a conhecer os autores portugueses, de uma forma original.
 
Este é um projeto de Lisboa ou há vontade em o levar a outras cidades portuguesas?
Dado que este projeto vive sobretudo da disponibilidade dos seus promotores (e todos eles têm outras profissões), temos evitado, até agora, dar um passo maior do que a perna. Desejo e vontade até pode existir, mas em coerência sabemos que não poderíamos apresentar um bom produto.
 
Quais são, então, os planos para o futuro?
Neste momento estão a ser trabalhadas novas edições próprias com novos escritores, e está a ser feito um documentário Tell a Story sobre a Literatura Portuguesa, que pretende saber o que pensam os estrangeiros da nossa literatura. Estamos muito entusiasmados com o que temos de gravações até ao momento. 
 
Trabalham para um mercado que será volátil. O turista torna-se o “leitor acidental”, complicado de fidelizar… Ainda assim, tem sido possível obter feedback do vosso público?
De facto, a fidelização é difícil, mas também não a procuramos. Temos experiências únicas, mas intensas. O feedback chega muitas vezes por e-mail. E foi desse feedback que nasceu a ideia do documentário.
 
Por último, que balanço pode fazer-se?
Sob o ponto de vista da recompensa pessoal, dificilmente poderia pedir mais. A Tell a Story gera sensações positivas nas pessoas, e isso dá-nos uma grande alegria. Permitiu-nos conhecer escritores que admirávamos como leitores, e que vamos passar a editar. Permitiu-nos conhecer inúmeras pessoas de uma riqueza extraordinária. O verdadeiro património que foi e é gerado pelo projeto é exclusivamente humano. 
OUTRAS NOTÍCIAS
CITY CHECK. Descobrir a cidade através de jogos

CITY CHECK. Descobrir

a cidade através de jog...

WONDER COVER. Joga com amigos à volta do tablet

WONDER COVER. Joga

com amigos à volta do tabl...

SOUND PARTICLES. De Leiria para Hollywood

SOUND PARTICLES. De

Leiria para Hollywood

IGUANEYE. Afinal (não) estamos descalços

IGUANEYE. Afinal

(não) estamos descalços

Grandes ideias no pequeno ecrã

Grandes ideias no

pequeno ecrã

Sensi quer revolucionar meio musical

Sensi quer

revolucionar meio musical

Candidaturas encerradas

Candidaturas

encerradas

MAIS NOTÍCIAS  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15   16   17