01-12-2014

Foram os cinemas a esvaziar-se, as salas independentes a fechar. Foi a cena cultural em geral a enfraquecer, uma cidade a fazer a travessia do deserto. Sim, foi. Mas o Porto está hoje vibrante, com vontade de fazer acontecer, empenhado em marcar a agenda. É na forma da resiliência e da (re)ação que se faz a primeira edição do Porto/Post/Doc - Film & Media Festival, a acontecer entre 4 e 13 deste mês.
Distribuído por três espaços culturais do centro da cidade – Teatro Municipal Rivoli, Cinema Passos Manuel e Maus Hábitos –, o festival permitirá exibir 50 filmes documentais, o que significa “outras tantas perspetivas pessoais sobre a realidade”, como observa a organização.
Para além das sessões de competição e das sessões de cinema temáticas, o programa integra concertos, masterclasses, workshops e encontros. Ocorre, assim, um festival “com um ambiente dinâmico e integrativo, onde todos, independentemente da sua área ou ligação ao cinema, participam e discutem e se juntam para ver (e fazer) documentários”.
O evento é organizado pelo Porto Post Doc, uma associação criada em março de 2014 na cidade por “pessoas de várias profissões, qualificações e idades, unidas na paixão pelo cinema. Não conformadas com o encerramento de salas de cinema, reuniram-se com o objetivo de dinamizar o cinema na cidade, em três níveis: voltar a trazer o público às salas, estimular a nova produção e criar um novo festival internacional de cinema, com particular incidência na área do documentário”.
Esta edição de estreia surge, então, com desígnios bem definidos: “Trazer ao Porto um festival de grande dimensão e qualidade”, capaz de “preencher uma evidente lacuna cultural e trazer a programação e produção cinematográfica à cidade”.
Sobre os 50 filmes a exibir, a organização apresenta-os como “50 histórias sobre o nosso mundo, contadas pelo olhar de inúmeros cineastas, tanto consagrados como emergentes. São 50 exemplos da produção recente de documentários que, acreditamos, irão enriquecer a vida do público que participe no festival”.
O Porto/Post/Doc afirma-se desde o primeiro momento como “uma montra privilegiada do que se faz em Portugal”. O documentário é o seu universo, mas o festival coloca-se, neste âmbito, “numa fronteira”: assume a “herança” do género, mas realça a crescente tendência para o seu domínio ser infiltrado por “formas de ficção”.
 
CONHECE TODA A PROGRAMAÇÃO DO FESTIVAL
OUTRAS NOTÍCIAS
Birdadvisor360°, a app que observa os pássaros

Birdadvisor360°, a

app que observa os pássaro...

A "cultura líquida" está no Hub Criativo do Beato

A "cultura líquida"

está no Hub Criativo do B...

O Prémio vai a Copenhaga com os pés confortáveis

O Prémio vai a

Copenhaga com os pés confortáv...

Boas ideias e bons projetos vão ao Laboratório

Boas ideias e bons

projetos vão ao Laboratóri...

WONDER COVER. Joga com amigos à volta do tablet

WONDER COVER. Joga

com amigos à volta do tabl...

SOUND PARTICLES. De Leiria para Hollywood

SOUND PARTICLES. De

Leiria para Hollywood

IGUANEYE. Afinal (não) estamos descalços

IGUANEYE. Afinal

(não) estamos descalços

Duas vencedoras do Prémio candidatas aos The Europas

Duas vencedoras do

Prémio candidatas aos The ...

MAIS NOTÍCIAS  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15   16   17   18