19-11-2014

Depois da Uniplaces (2012) e do Musikki (2013), este ano foi a vez da WESO, vencedora da edição 2014 do nosso Prémio, representar Portugal na maior competição mundial de novos projetos das indústrias criativas. Realizada anualmente em Copenhaga, a Creative Business Cup reúne os vencedores de concursos de âmbito nacional promovidos em dezenas de países pelo mundo inteiro. Ao longo de três dias (de 16 a 19 de novembro), a capital da Dinamarca tornou-se assim, uma vez mais, o palco universal do talento e do empreendedorismo criativo, juntando comitivas de mais de 50 nacionalidades.
O grande vencedor desta edição foi a CTAdventure, da Polónia, com Professor Why, um jogo para computador de carácter interativo e educativo. De acordo com o júri da CBC, os criadores deste projeto fazem a diferença "ao envolverem os utilizadores [do jogo] num processo de aprendizagem criativa", promovendo a descoberta de "áreas importantes como a química, a física e a matemática" com recurso a tecnologia inovadora e realidade aumentada.
Para o júri, a seleção do vencedor não se revelou uma tarefa fácil. Seriam muitos os participantes merecedores de destaque. E voltamos então à WESO: criada em 2012 pelo jovem compositor André Miranda, esta orquestra surgiu para produzir e interpretar música para a indústria cinematográfica mundial. O projeto, que procura destacar-se num mercado de reconhecida exigência (quando se quer figurar entre os melhores), tem na reunião de músicos portugueses a garantia de qualidade a preços competitivos. A entrada em Hollywood já aconteceu (através de “A Vida Secreta de Walter Mitty”, a estrear-se em 2015), agora só há que crescer, inclusive para outros segmentos do audiovisual (ver entrevista com André Miranda).
Foi, pois, com um excelente conceito, de carácter global e com grande potencial de crescimento, que o Prémio Nacional Indústrias Criativas Super Bock/Serralves chegou à Creative Business Cup 2014. Esta participação resultou, a exemplo dos anos anteriores, de uma parceria com a Agência para o Desenvolvimento das Indústrias Criativas (ADDICT). 
Saliente-se que este ano, e pela primeira vez, a organização de Copenhaga convidou cada país a participar na competição com mais quatro projetos/empresas. Portugal fez o seu “top five” entre os finalistas do nosso Prémio que receberam a Distinção por Categoria. Deste modo, e além da WESO, Beesweet, Casas em Movimento e Calligraphy Practice, a par do projeto Origama, puderam revelar o talento, a criatividade e o empreendedorismo existentes em Portugal. E todos, seguramente, têm hoje o mundo pela frente.
OUTRAS NOTÍCIAS
Birdadvisor360°, a app que observa os pássaros

Birdadvisor360°, a

app que observa os pássaro...

A "cultura líquida" está no Hub Criativo do Beato

A "cultura líquida"

está no Hub Criativo do B...

O Prémio vai a Copenhaga com os pés confortáveis

O Prémio vai a

Copenhaga com os pés confortáv...

Boas ideias e bons projetos vão ao Laboratório

Boas ideias e bons

projetos vão ao Laboratóri...

WONDER COVER. Joga com amigos à volta do tablet

WONDER COVER. Joga

com amigos à volta do tabl...

SOUND PARTICLES. De Leiria para Hollywood

SOUND PARTICLES. De

Leiria para Hollywood

IGUANEYE. Afinal (não) estamos descalços

IGUANEYE. Afinal

(não) estamos descalços

Duas vencedoras do Prémio candidatas aos The Europas

Duas vencedoras do

Prémio candidatas aos The ...

MAIS NOTÍCIAS  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15   16   17   18