17-12-2014

Chama-se nomadmovement a primeira rede social para viajantes. O projeto, feito em Portugal mas nascido para o mundo, foi apresentado esta quarta-feira e promete entrar em velocidade de cruzeiro em 2015. Da rota estratégica para financiamento e desenvolvimento do conceito está uma campanha de crowdfunding, acabada de lançar. O entusiasmo é legítimo e as expectativas são boas quando o assunto remete, afinal, para uma paixão universal. Quisemos, por isso, falar com João Monteiro, cofundador e CEO da nomadmovement, uma startup incubada no UPTEC (Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto).
 
Qual é o conceito do projeto?
O nomadmovement é uma rede social para viajantes onde estes podem criar e partilhar com o mundo os seus diários de viagens. O registo das viagens foi algo que sempre se realizou. Contudo, as novas tecnologias criam hoje uma necessidade de partilha em tempo real e em grande escala, que não existia anteriormente. Assim, o diário de viagem físico deixou de fazer sentido não só pela vertente da partilha, mas também devido ao facto das fotografias e vídeos terem passado totalmente para o formato digital.
 
Como funciona?
O nomadmovement criou um diário online, organizado cronologicamente, onde os utilizadores podem registar as suas experiências de viagem em texto, fotografia e vídeo. A possibilidade de partilha tem dois aspetos muito relevantes nesta plataforma. Por um lado, o utilizador que publica o diário tem a possibilidade de informar todos os amigos e seguidores de todos os acontecimentos ao longo do seu percurso. Por outro, e esta é uma funcionalidade importante, é permitida a pesquisa de informação e planeamento para viagens futuras. O utilizador pode ver os diários dos demais utilizadores sobre os destinos que lhe interessam, o que representa uma útil ferramenta para organização da sua própria viagem de forma mais eficiente e personalizada.

Como surgiu esta ideia?
Há sensivelmente um ano, quando cheguei de uma das minhas viagens pensei na quantidade de fotografias que tirei, vídeos que filmei, apontamentos que fiz, e cheguei à conclusão que a maioria destes nunca mais os ia ver. Iam ficar perdidos e dispersos em pastas, discos rígidos, redes sociais. Depois de uma conversa com o Vasco e o Pedro percebi que este era um problema comum. Realizámos então um pequeno estudo e concluímos que 80% das recordações dos viajantes ficam perdidas. Por isso mesmo decidimos resolver este problema e avançar com o projeto nomadmovement.
 
Quem faz, então, a equipa?
A equipa começou comigo [João Monteiro, economista e marketer], com Pedro Mendes (web developer) e Vasco Vinhas (web developer). Logo a seguir entrou o Francisco Sousa Otto (também economista, trata da parte financeira). Depois da nossa ida a Dublin [o projeto foi apresentado no Web Summit] entrou a Matilde, que está em Londres (nossa responsável de marketing) e a Sarah Smith da Austrália (copywriter e criadora de conteúdos).
 
Que mercados pretendem alcançar?
O mercado português, por razões de proximidade com o público, servirá para testar a versão beta, que estará disponível até dia 31 de janeiro e só para quem contribua na campanha de crowdfunding que estamos a lançar.  Queremos também entrar nos mercados dos países de língua inglesa.
Pretendemos apostar ainda em países como Reino Unido, Estados Unidos, Canadá e Austrália, por serem os países com maior número de viajantes e, fundamentalmente, por serem capazes de criar tendências mundiais.
 
Em que fase de desenvolvimento está o projeto?
A plataforma já está construída. Estamos neste momento a corrigir alguns erros de usabilidade que detectámos e pretendemos abrir logo de seguida a plataforma para quem contribua para a nossa campanha de crowdfunding que iremos lançar hoje [quarta-feira, dia 17 de dezembro].
 
Em que termos decorrerá a campanha de crowdfunding?
A apresentação do nomadmovement ao público português, hoje, marca também o início da campanha de crowdfunding. Há, obviamente, um custo substancial envolvido na construção de um site capaz de lidar com o tráfego que previmos ter. Deparamo-nos agora com o desafio da construção de mecanismos novos e mais fortes que sejam capazes de lidar com centenas de usuários. 
A campanha decorrerá na plataforma de crowdfunding Indiegogo (conhece-a AQUI), com o objetivo de angariar cerca de 30 mil euros. Para além de todos os custos envolvidos na construção do site, pretendemos desenvolver uma app que permita facilitar o acesso ao nomadmovement a nível global, não descuidando também as campanhas de marketing e publicidade essenciais para fazermos chegar a nossa mensagem.
 
Por fim, que objetivos pretendem alcançar em 2015?
Queremos angariar, até março, cerca de 10 mil utilizadores. Até ao final de 2015 pretendemos ultrapassar a barreira dos 100 mil utilizadores.
OUTRAS NOTÍCIAS
CITY CHECK. Descobrir a cidade através de jogos

CITY CHECK. Descobrir

a cidade através de jog...

WONDER COVER. Joga com amigos à volta do tablet

WONDER COVER. Joga

com amigos à volta do tabl...

SOUND PARTICLES. De Leiria para Hollywood

SOUND PARTICLES. De

Leiria para Hollywood

IGUANEYE. Afinal (não) estamos descalços

IGUANEYE. Afinal

(não) estamos descalços

Grandes ideias no pequeno ecrã

Grandes ideias no

pequeno ecrã

Sensi quer revolucionar meio musical

Sensi quer

revolucionar meio musical

Candidaturas encerradas

Candidaturas

encerradas

MAIS NOTÍCIAS  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15   16   17